Dicionário de cortinas

Vai à loja ou à costureira? Não saia de casa sem este glossário.

Texto: Flávia G. Pinho | Foto: Cacá Bratke | Ilustraçãoes: Alice Campoy

 | <i>Crédito: Cacá Bratke
| Crédito: Cacá Bratke
Nem sempre é fácil contratar os serviços de profissionais especializados em cortinas – a conversa logo tropeça em jargões quase incompreensíveis para a maioria das pessoas. Você também não sabe a diferença entre argolas e ilhoses? Ou para que serve uma braçadeira? Seus problemas acabaram — a seguir, desvendamos o “cortinês”.




Argolas
– Anéis de metal, madeira ou plástico que sustentam a cortina no varão.
 
Bandô – Ornamento de tecido fixado na parte superior da cortina com o intuito de enfeitá-la ou de esconder o trilho.
 
Barra – Ou bainha, é a dobra costurada na parte inferior que dá acabamento à peça.
 
Blecaute – Cortina encorpada que veda completamente a luz, feita de PVC ou de uma mistura desse material com tecido.
 
Braçadeira – Cordão ou faixa com a função de amarrar a cortina nas laterais, quando aberta. O mesmo que abraçadeira.
 
Chumbinho – Vareta metálica, revestida de tecido, que fica oculta na barra. Seu objetivo é fazer peso e impedir que a peça se torne esvoaçante demais. Deve ser retirada na hora de lavar.

Cós – Espécie de barra na parte superior da cortina. É onde se costuram aviamentos como a entretela e o franzidor.

Entretela – Tecido bem estruturado que dá firmeza ao cós (usada em colarinhos).
 
Forro – Confeccionado em tecido liso e neutro, é um acessório opcional, que protege o tecido principal do sol e reduz sua transparência, além de reforçar o isolamento termoacústico e o controle da luminosidade.
 
Franzidor – Aviamento que, quando costurado ao cós, ajuda a franzir a cortina de maneira uniforme. É possível escolher entre vários modelos, de acordo com a quantidade e o estilo de pregas que se deseja.

Gancho para braçadeira – Suporte, geralmente metálico, aparafusado na parede para encaixe da braçadeira.
 
Ilhoses – Aros de metal, madeira ou plástico fixados em torno de aberturas no cós, através dos quais pode-se pendurar a cortina no varão.

Painel – Cortina formada por painéis – em geral de tecido encorpado, como a lona –, que correm horizontalmente em um trilho.
 
Ponteira – Acessório que arremata e ornamenta as extremidades do varão.

Rodízio – Acessório com rodinhas que deve ser costurado ao tecido, possibilitando à cortina correr em trilhos.
 
Sanca – Estrutura de madeira, plástico, gesso ou metal, fixada no teto, para esconder o trilho ou o varão. O mesmo que cortineiro.

Terminal – Pecinha encaixada no trilho a fim de travar a saída dos rodízios.

Tiras – Quase sempre feitas do mesmo tecido da cortina, servem para pendurá-la no varão ou dar suporte a argolas. Também conhecidas como alças ou passantes.

Trilho – Estrutura para pendurar a cortina. Permite que ela deslize com o auxílio de rodízios. Pode ser duplo ou triplo, para instalação de forro e blecaute. Os modelos plásticos, mais usados porque não emperram os rodízios, são chamados de trilhos suíços.

Varão – Bastão de madeira, metal ou plástico que, apoiado em suportes (de teto ou de parede), sustenta a cortina.
 
Xale – Tecido sobreposto à cortina, com caimento lateral, para efeito decorativo.


02/01/2016 - 18:00

Conecte-se

Revista Minha Casa
Coleção CARAS