Um jardim para aproveitar em família

O motivo para Márcia e Valdir Baretta fazerem uma grande reforma no quintal dos fundos de sua casa em Três Coroas, RS, tem nome e idade: Olívia, de 2 anos, a primeira neta do casal. "Ela adora brincar com as plantas", revela a vovó coruja. Márcia usufrui da companhia da pequena nos momentos em que cuida da horta, muito mais bonita após a renovação planejada pela arquiteta conterrânea Lísia B. Behs

Ilustração Alice Campoy | Texto Renata S. Faggion (SP) | Reportagem Visual Irene Marcondes (RS) | Fotos Julio Soares (RS)

Projeto da arquiteta Lísia B. Beh | <i>Crédito: Foto Julio Soares (RS)
Projeto da arquiteta Lísia B. Beh | Crédito: Foto Julio Soares (RS)
A avó Márcia usufrui da companhia da pequena Olívia nos momentos em que cuida da horta, muito mais bonita após a renovação planejada pela arquiteta conterrânea Lísia B. Behs, que projetou a morada 15 anos atrás. “Foi um prazer trazer vida a uma parte da casa praticamente abandonada”, admite Lísia.

São 90 m² de quintal

• A área externa generosa, típica das casas interioranas, é vizinha a um salão de festas (1) e ao módulo de serviço (2).

• Para disfarçar o acesso ao depósito e à lavanderia, a arquiteta criou um anteparo ripado (veja foto na pág. ao lado) junto da porta (3).

• Um caminho de pedras (4) conecta o módulo de serviço ao cantinho de lazer (5), um deque suspenso onde foram dispostas duas cadeiras.

• O restante da área ganhou fonte (6) e horta dividida em três canteiros, dois deles para ervas aromáticas e temperos (7 e 9) e outro para hortaliças (8).

Espaço íntimo e de descanso compartilhado pelo casal

• O quintal permaneceu sem uso por mais de dez anos. "Não bate muito sol aqui... As plantas e o gramado estavam sempre feios", lembra Márcia. A reforma iniciou pela retirada do canteirinho de pedras e da porta estreita - no lugar desta, entrou um modelo largo, de três folhas, com madeira e vidro.

• O deque e o pergolado de madeira grápia trouxeram aconchego ao espaço. Além de proteger da chuva, a cobertura de vidro acabou criando um novo ambiente íntimo para o casal, com cadeiras de fibra sintética resistentes a bom e mau tempo. "Adoramos tomar chimarrão no fim do dia relaxando e curtindo o jardim", conta satisfeita a moradora.

• Nas fachadas, o azul e o laranja originais foram trocados por tons mais suaves. É o caso do Hide Park (ref. LKS 668) das paredes e do Sutton (ref. LKS 684), reservado às vigas. Ambas as tintas são acrílicas semibrilho da Lukscolor. A finalização veio com os rodapés de basalto.

"Olívia já sabe: o jardim foi todo criado para ela.Quero ensinar desde cedo para a minha neta a importância dos alimentos orgânicos."

Márcia Baretta

• Deque e pergolado

De madeira grápia (3,80 x 3 m). Esquadrias Volkart

• Cadeiras de alumínio polido

Modelo Colina, com trançado de fibra sintética na cor andiroba. Vem com duas almofadas. Hidrotec

• Mão de obra e material para alicerces

Redemac

• Cobertura do pergolado

Vidro temperado incolor 8 mm (7,60 m²). Vidraçaria Parobé, 

• Muro

Mão de obra para descascar 31,50 m².

• Rodapés de basalto

Com colocação. Marmoraria Três Coroas

• Caminho de pedras

Basalto serrado: 14 placas de 90 x 40 cm. Pedras Decorativas Moller

• Paisagismo

Mão de obra e material (4 m³ de terra, vasos, pedriscos, mudas, delimitadores de grama). Jardineiro Garten

• Almofadas

Modelo Floral AcquaBlock, com tecido impermeável. Gazebo Oriente

• Fonte

Com pedestal, importada da Indonésia. Gazebo Oriente

• Futons

Gazebo Oriente

• Banco

Modelo Tunduk branco, de madeira, com 1,26 x 0,50 x 0,97 m*, da Indonésia. Gazebo Oriente

• Estátua balinesa

Esculpida em pedra arenito (20 x 20 x 60 cm). Gazebo Oriente

Cantinho de estar sob a árvore

• Grama e 30 cm de solo foram retirados. Colocou-se uma camada de terra para renovar o terreno e aplainar a superfície. Por cima espalhou-se 1 tonelada e meia de pedriscos. "Aqui chove muito, principalmente no inverno, por isso as pedrinhas, que ajudam a drenar o solo", explica Lísia.

• O pinheiro é uma das poucas lembranças do velho jardim e agora tem a companhia das pedras grandes que delimitavam a horta anteriormente.

• Deixado sem pintura durante muitos anos, o muro conquistou visual rústico: a pedido da moradora, foi descascado para que os tijolos originais ficassem aparentes. "Esse acabamento me lembra bastante os antigos jardins de imigrantes italianos aqui da região", conta Márcia.

• Foi da moradora, também, a ideia da estatueta de menininha colocada ao lado do banco. Este combina com os móveis dispostos no deque e pode ser movido pelo quintal.

Horta orgânica nos fundos de casa

• Os três canteiros cercados por tocos de pinheiro tratado contra insetos, fungos e moluscos ganharam mudas variadas. Os dois menores acolhem ervas, como hortelã, cebolinha, manjericão e salsa. No central, a moradora planta hortaliças - só havia alfaces roxa e americana em julho.

• "Decidi dividir o canteiro para melhorar o acesso às plantas", diz a arquiteta. Flores, como violetas e gerânios, têm lugar em vasos - assim podem ser levadas ao sol onde ele estiver batendo.

• O painel de troncos disfarça um poço artesiano e esconde as ferramentas de jardinagem. A fonte, ladeada por bromélias, contribui para a atmosfera relaxante.

• Uma pequena área recebeu grama-esmeralda para quebrar o efeito levemente rosado das pedrinhas. Os contornos são mantidos por um delimitador de grama.

• "Adoro passar horas cultivando. E agora tenho a companhia da minha netinha", declara Márcia. 




16/03/2017 - 18:32

Conecte-se

Revista Minha Casa
Coleção CARAS